Mochilão na Tailândia #1: Passagens e hospedagem

Lemon_tea1.jpg

Ir para a Tailândia era um sonho meu. Mas não era um desses sonhos que a gente batalha e corre atrás, sabe? Eu o encarava como um desses sonhos que nunca saem da gaveta, porque afinal a Tailândia é muito longe do Brasil e blá blá.
Como eu disse que no post anterior, porém, acabei comprando passagens pra Tailândia, já que é pertinho da Coreia do Sul, e não ia sair tãããão caro dar um pulo lá. Então… Realizei um sonho meu!!!! :D
No Diário do Mochilão eu tentarei explicar como foi minha viagem para a Tailândia, e espero poder ajudar ou inspirar alguém que tenha vontade de fazer o mesmo. Então se você ficou pelo menos um pouquinho curioso, pode ser que essa nova categoria do blog te ajude!

Passagens: Bom, de tanto enrolar pra comprar os tickets de avião, a passagem acabou aumentando, e ida e volta custou cerca de 500 dólares por pessoa. Eu e meu namorado fomos pela AirAsia, que é uma companhia aérea mais em conta.

Apesar de ser uma companhia de baixo custo, achei que ela foi muito melhor do que a Emirates, pois as aeromoças foram mil vezes mais simpáticas e a comida é mais gostosa. Particularmente eu prefiro esse esquema de pagar somente pelo que eu quero (água, cobertor, refeições, snacks) a pagar o preço do serviço completo na passagem.

Hospedagem: O Felipe e eu ficamos na Tailândia do dia 23 de Dezembro ao dia 6 de Janeiro. Nosso plano era ficar em Bangkok, Koh Samui e Pattaya. Na nossa vida super perigosa, reservamos lugares pra ficar dois dias antes da partida e, como era de se esperar, foi difícil encontrar lugares com boa localização e bom preço em cima da hora, mas nós conseguimos!!!! Vou explicar como:

Em Bangkok: usamos o app do Airbnb para encontrar um lugarzinho bom na capital tailandesa. Para quem não sabe, o Airbnb funciona assim: você escolhe o seu destino de viagem e usa os filtros disponíveis para pesquisar qual acomodação é melhor pra você. Tem filtros para faixas de preço, número de hóspedes, tipos de acomodação (casa inteira, quarto privado ou quarto compartilhado), tipos de facilidades que você deseja (com ou sem wifi, televisão, cozinha, entre outras coisas). É muito legal, porque dá pra fugir da mesmice de hotéis e procurar um espaço mais aconchegante, que é mais sua cara, por preços justos (ou não :P)
Se você gostou de algum lugar, você pode salvar na sua wishlist (na sua conta pessoal no Airbnb) e entrar em contato com o anfitrião. Não sei se dei sorte ou não, mas todas as pessoas  que eu contatei responderam super rápido (em no máximo 10 minutos) e foram muito solícitas.

Antes de ficar toda animado e já sair reservando todos os quartos bonitos, não esquece de dar uma checada em como funciona o pagamento. Em geral tem uma taxa cobrada à parte, que é a taxa de limpeza, além do preço da diária. Procure também saber como é a região da casa/apartamento/quarto que você está prestes a alugar. Se for um lugar de difícil acesso, talvez não valha tanto a pena (verifique se há metrô, trem, ônibus, lojas de conveniência, farmácia, etc).
Mais um lembrete: sempre verifique as reviews que outros viajantes fizeram sobre o anfitrião e sobre o lugar. Ninguém vai querer ter surpresas desagradáveis depois com um host mal humorado e umas fotos enganosas sobre o quarto, né?

A “casa” em que eu fiquei em Bangkok foi essa aqui e a host é uma fofa! O mais legal do Airbnb é justamente o fato de que o anfitrião pode ser uma pessoa super gente boa e te ajudar e dar umas dicas de lugares que valem a pena ser visitados na cidade, onde comer, como funcionam os ônibus e metrôs, etc. Como dá pra ver pelas fotos do site, a casa é uma espécie de kitnet e é bem espaçosa. O banheiro também era bem espaçoso e tudo estava muito limpo.
Pagamos 25USD pela diária e eu achei que valeu super a pena :) Só fiquei triste de ter esquecido de tirar fotos do quarto, mas tudo bem.

Em Koh Samui: Queríamos ter usado o Airbnb para procurar lugares em Koh Samui, mas não havia vagas disponíveis para as datas que iríamos ficar. O Felipe e eu decidimos usar o hoteis.com e foi super tranquilo. O hotel em que ficamos era bem pequeno e o nome é Behind the Scene. Ele fica numa região super movimentada de turistas em Koh Samui, então é bem fácil de achar restaurantes, lojas, bares e é bem perto da praia.

Em Pattaya: Para encontrar nossa hospedagem em Pattaya, usamos o Hostel World e escolhemos um lugar chamado Jomtien Hostel, bem perto de Jomtien Beach. Tivemos um problema na hora do check in e, devido a um erro do próprio hostel, não havia quarto individual disponível na primeira noite, e tivemos que ficar em um quarto compartilhado. Por causa disso, não precisamos pagar pela primeira noite e no segundo dia mudamos para o quarto certo :) Agora, uma foto da minha parte preferida no Jomtien Hostel: o café da manhã, haha!

Thai37.jpgPor menos de 4 USD, vinha um café da manhã delícia, que às vezes vinha acompanhado de um patê caseiro que o dono do hostel fazia. Eu acordava feliz todas as manhãs só por saber que tinha bacon e croissant me esperando!

O post ficou meio gigante, mas espero que eu tenha conseguido explicar direito como foi o planejamento do começo do mochilão na Tailândia.
Até mais!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s